um pouco mais do que quero ser :)

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Quando cheguei em Londres, ainda tinha dezoito. Cabelos compridos, e uma cara cansada [..] Estava nas vésperas do meu aniversário e toda minha expectativa se focava em conhecer a cidade. – Soltei do ônibus e caminhei em direção à uma praça pouco movimentada, com alguns pombos, alguns enfeites de natal, e turistas com seus flashes pré-históricos.
Minhas malas já estavam no albergue e tudo que me acompanhava era uma bolsa com cigarro e dinheiro. Sentei na calçada e vi minha tarde passar com aquele sol meio frio, trazendo uma nostalgia do meu lugar, dos meus.
Pra ser sincera foi o que escolhi pra mim; queria respirar um pouco longe daquela pressão, e de toda aquela rotina que inalava sem paciência. Afinal, era mais que independente e precisava cruzar o mundo.
Espalhar um pouco das minhas palavras pelas paredes, fontes e avenidas de lugares desconhecidos. E cá pra nós: Londres não estava nos meus planos, sonhava com Paris como toda mulher apaixonada e vaidosa. Pra inicio de viagem, queria mesmo é freqüentar a boemia, algumas baladas toillet, e o frio.
Nos meus fones tocava novos baianos e meus olhos brilhavam liberdade, um pouco de aventura, saudade também; de algumas borboletas amarelas e cachaça.
Mais que distração, preciso esquecer essa falta de casa e curtir isso tudo. – Pensei.
Levantando da escadaria que tinha algumas estátuas, não lembro totalmente mais me deu um pouco de medo. Prendi o cabelo, acendi um cigarro e andei me equilibrando nas bordas de uma fonte, quando ouvi alguém gritar: Que garota maluca! Em um idioma estranho.
Não dei a mínima pro gringo careta e voltei pro albergue [..]
No meu quarto dormia três mulheres comigo, é mulheres. Lá era espaçoso, tinha dois beliches e as paredes pintadas de lilás, que lembra lavanda, e lavanda tranqüiliza.
Estava desacompanhada e precisava de pessoas; fazia tanto tempo que conservava repulsa a “gente”. Olhe agora, é o que eu mais preciso, depois de algumas horas solitárias perdida entre árvores, azulejos, e fotografias.

[ Término do conto, em breve . ] (:

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

E diante dos aplausos me retirei, como se não houvesse nenhum ser humano capaz de admirar todas aquelas encenações que tinha planejado e ensaiado há um bom tempo.
Abaixei minha cabeça, cruzei as pontas dos meus pés e abandonei o palco, como se nunca estivesse pisado ali. - Era sacrifício apagar os minutos em que estréiei aqueles movimentos complexos e curvados que só imaginava e não moldava ao meu corpo.
A luz refletida, olhos brilhando em minha direção e um chão alto de madeira só pra mim. Poderia rodopiar à vontade, era arte, e arte é o encontro do externo com a alma.
Eles esperavam surpresas, esperavam que eu me contorcesse até a minha coluna se encontrar com as entradas do meu tornozelo, e sem dor abrir um sorriso, mostrando o quanto era fáçil ser flexivél e atriz.
Só que muitos não sabiam, que não vinha do coração, era obrigação, teatro. Era o espetáculo da vez, o da roupa colorida e brilhante ; que iria guardar e relembrar todas ás vezes que me sentasse em frente ao espelho e pintasse as minhas pálpebras de laranja, talvez seria a peça chave, porque ultimamente minha face era de um tom nude, apagado, normal, e só um nariz de palhaço para alegrar o que chamava de depressão.
Por longos dias me encontrei vestida com aquela fantasia que eu mesma havia criado, e lembro até hoje como a fiz. Numa tarde de inverno , catei todos os retalhos que havia sobrado de " Sonho de uma noite de verão ", " Minhas lágrimas secam sozinhas ", " O lago dos cisnes " , e outras cenas perdidas dentro do closet. [...]
Liguei a máquina de costurar e fui emendando os tecidos até formar um corselete que prendia dos meus seios até o meu quadril. Completei com babados de filó para dar um ar de bailarina moderna e rasguei a meia-calça preta que usaria no halloween ; pra completar calçei as minhas sapatilhas douradas e prendi o coque com uma redinha.
A visão que tinha era de uma boneca de pano, esquecida num canto do quarto. Trazia muitas estórias com suas cores, mais quando a melodia fina se chocava com sua dança, tudo se transformava.
As lágrimas escorriam, molhando qualquer concepção de que preto é luto. - Pode até ser, mais arco-íris não significa nada. E assim as palmas vingaram .. Mais meu deus! Pensei : Eles não entedem.
Nanda Oliveira
Não sei porque eles reclamam tanto da chuva. - Acho que ainda não conhecem o poder que ela tem ; alegrar os corações vazios, chorar com os que estão tristes, molhar lavouras, juntar casais sobre camas e filmes , devolver inspiração para os escritores, derramar sobre a cabeça dos homens a limpeza que eles tanto almejam. Não sei, mais a chuva é mágica, é sagrada. Nanda Oliveira
Não se justifique. - Engula a seco todas as tentativas fracassadas, todos os enganos, decepções. Adianta sofrer? Chorar? Não venha com essa de dizer que existem amigos verdadeiros. Até hoje não conheci nenhum, me simpatizei com uns e outros, que me roubaram sorrisos, ignoraram algumas lágrimas, me informaram sobre o episódio que não assistir, e eu burra depositei minha melhor gratidão e cuidado. Mais sabe de uma? Eu sou completa comigo mesma, eu ando por aí, converso com o espelho, e bebo as últimas garrafas de cerveja que sobrou na geladeira. É incrível, mais eu me tenho, isso basta. Nanda Oliveira
Eu sentia pena de Z. É, pena. Como ela havia me dito ; pena acabava, destroçava, rasgava Z. Pena era o tudo. - Passei tardes, e noites com aquele moço engraçado, que tinha um sorriso largo, e palavras contraditórias. Me sentia bem ali, confortada com tanto mistério. Eu sempre gostei de mistério, mais todo problema era aquela curiosidade que Z não dissolvia. Eu sabia que ele precisava de mim, que querendo ou não, ele dependia da minha presença, e principalmente da dela.
Ela incentivava, guiava, acalentava Z . E ele burro, não entendia a importância que ela tinha, o significado que a vida dele tomou depois que ela apareceu.
Mais os dias se passaram, e todo encanto se perdeu em meio a tanto desgosto, a pequenas angústias e comédias que se acumularam. Foi acabando como algumas histórias que começam com : Era uma vez ..
E sabe o que é pior ? Z está sozinho, sempre esteve. Não tem mais as minhas palavras ingênuas e mudas. Nem as certezas dela, ele está oco, vazio, perdido. Perdido mesmo, sem mais nenhum ombro, bochecha, e ouvidos.
Z está só, e só é ruim. É como se todas as cadeiras estivessem sendo ocupadas, mais do lado dele não estivesse ninguém. É triste, irrevogável, penoso como sinto.
- E para surpresa de todos, aqui dentro ainda resta alguns cumprimentos, bate-papos, e audição. Z não sabe, mais eu compreendo. Nanda Oliveira
Acordei com minha mãe fazendo barulho. Na verdade ela queria mesmo que eu acordasse, despertasse pra vida e acompanhasse ela com o programa de domingo. - Puxou o lençol que cobria metade do meu corpo, e sorriu. Ela achava graça da minha cara de maluca, dos meus olhos grudando com restos de delineador da noite anterior, e os meus seios expostos.
Ela não sabia, mais eu passei a noite toda escutando Love Story, e chorando a cada troca de música que meu celular insistia mudar. Estava mal, não como se fosse tirado a minh'alma, ou se praticamente estivesse recebido uma noticia ruim, mais todos os pontinhos que havia juntado durante esses noventa dias tinha escapulido. E minha janela estava trancada, o sol? Nublado. Mais uma vez. Nanda Oliveira
Pelas gretas da janela vi alguns rabiscos de girassóis. – Eles são amarelos e brilham. Sim, eles brilham, e giram de acordo com o movimento dos ventos contrários.
Achava que girassóis iam de acordo com os sóis dos dias, com o sol de hoje, o que ainda há de vir, e o que nasceu ontem. Mais não, é involuntário vê-lo rodar, espalhar pequenas e finas pétalas pelo chão obscuro e deserto, pelo chão.
Sempre analisei as flores. Cada uma com sua cor, trigonometria, vestígio. E o melhor: perfume. O que espalha, acalma, ressuscita.
Mais os da minha janela são diferentes. – Juro que são racionais, eu escuto as suas vozes, as súplicas que exalam quando a luz profunda invade os poros das suas sementes e faz florescer. Acredito que os girassóis da minha janela são mágicos. Nanda Oliveira
- Silêncio.
Tem que se calar, pra conseguir descobrir o que se passa nos pensamentos alheios, nos abrigos calados, nas memórias esquecidas. Menos conversa, menos zoada, menos falatório, menos perguntas, menos questionamentos, menos exposição. Só menos, nada de mais ; e eu querendo gritar. O mal talvez seja esse. Se esconder por tanto tempo atrás de uma cortina, e quando decidir sair, uma manta vermelha cair bem sobre a sua cabeça. - E vermelho não é bom.
Vermelho envergonha, distorce, frustra. Vermelho seca, e corrompe; vermelho brocha, acaba. E suas palavras vermelhas me empurra de volta pras cortinas. Nanda Oliveira
A minha porta era larga, alta, arreganhada. Estava sempre à disposição da minha própria saída. Eu escutava de tudo, até as piores coisas que me influenciava a desistir daquela casa.
Casa bonita viu? Arejada, saudável, tranquila por sinal. Na verdade quando adentrei aquele lugar, estava com um pouco de medo, talvez de me acostumar com tanta hospitalidade, cuidados, que seria praticamente impossível abandonar o lugar.
Mais entrei, de ponta de pé, calada, observando todos os móveis, todos os metros, tudinho. E me deparei com um dos lugares que eu mais almejo em um lar: O quarto. O único quarto dos aposentos. - Era claro, úmido, enorme. O coração da casinha bonita. Mais faltava algo, sabe quando você compra uma camisa? E essa camisa é grande, meio folgadinha, de um tom bege, mais precisa de um complemento, um acessório pra dar o ar da graça ? Era assim. Como a vestimenta, o quarto faltava algo. E o pior, considerava como o órgão que movimentava todo o resto, então sendo assim não poderia ter falhas.
Ignorei qualquer detalhe que pudesse acabar com a minha mordomia, e assim organizando da minha forma. O vento soprava, abria as janelas, e eu pus uma persiana. A cama ficou por anos encostada naquele canto, e eu a troquei de lugar. Os armários eram antigos, de madeira. Pintei cada um manualmente e com cores. Só que uma coisa ainda me incomodava. - A pingueira do teto.
Quando não chovia estava tudo bem, mais era aparecer a primeira tempestade que o meu quarto insistia inundar ; e eu com minha falta de paciência relutava contra o vazamento, e quanto mais pingava, eu pensava em desistir.
Até hoje isso acontece, e não abdiquei, não abri mão da minha casa. Estou com ela, e pode vir uma onda de tsunami cobrir o meu teto, e mesmo assim estarei suportando a pingueira. Nanda Oliveira
Yes, digo sempre: Uma vontade de você.
Desde aquela quarta eu não me sentia mais completa, realizada, como costumava afirmar. Ela tinha tirado todas as minhas forças e levado com aquela camisa vermelha que vestia.
Encostada naquele ponto de ônibus, eu via os carros passarem, uns mais rápidos e outros mais lentos. Havia acabado de comer algumas bobagens, e toda minha inquietação se entretia na tela do meu celular, que avisava ser 22:20, pra um encontro às dez.. e vinte minutos era muito para minha ansiedade. Suspirava e bagunçava a frente do meu cabelo, nada daquela mulher chegar. - Pensei em desistir das insanas palavras que rodeava a minha mente, acenando que eu estava certa e pronto. Mais ao mesmo tempo imaginei que poderia chegar e me abraçar e não precisássemos dizer nada. Só encostar os nossos rostos na virada dos pescoços, e respirar, de um jeito ofegante e forte. Forte como a minha vontade. Nanda Oliveira

sábado, 29 de outubro de 2011

Não vou fazer como sempre, exprimir tudo que tenho preso aqui e que não foi liberado na hora certa, na hora em que deveria ser exposto, eu sempre guardei essas frases pra mim, essas angústias, eu acompanhava a conversa com um "não sei", talvez, ou até mesmo aquele depende - que no fundo era um "eu quero". Tenho sentido muito pelas minhas manias de ser desastrada e complicada, é complicado.. faz alguns dias que venho vivendo por complicações, e quando desejo gritar o que me sufoca, eu acho que se resume mesmo a um complicado, a uma questão de lógica, que me consome a cada parada que dou em meio a esse quarto sereno, que em poucos dias eu transformei em meu. Certo que o "meu" está meio fora de forma, de cuidados, canetas espalhadas, papéis pelo chão, roupas encima da cama, uma tremenda bagunça. É, tudo isso porque daquele moço, que adentrou a minha vida e fez uma revira-volta. Me ensinou o que eu mais temia acreditar, me cuidou da forma mais compreensiva e paciente, como sempre falara. Mais eu segui, eu me joguei, entorpeci de vontade, criei histórias que não tinha imaginado antes. Chegava nos lugares, e tentava dizer as pessoas que eu amava, que eu fumava e bebia, e que tudo isso era consequência do amor. Amor? É, justamente amor. Aquele que te arranca a alma, que te faz enxergar o que não tinha visto, aquelas estrelas que todos os dias ficam paradas nesse céu imenso, mais que não reparamos. Estamos preferindo se jogar num sofá para assistir idiotices cotidianas. Num certo dia quando eu jurava com todas as certezas que aquele moço, aquele mesmo, com um ar "cafajeste", que me fazia arrepiar todas as vezes que encostava sua boca atrás da minha orelha, aquele que tinha um sorriso tranquilo e original, um perfume inebriante, igual ao de ninguém, aquele que era meu e eu sabia que nunca iria me abandonar, eis que me deixou. Me deixou com palavras, com falta de certeza, com falta de cuidado. Eu não acreditava que depois de uma noite de suspiros, isso iria desabar, mais como dizem: Nada como um dia após o outro, e esse foi o dia. Em que eu me desapeguei totalmente dos meus quereres, subiu uma sensação de ódio, mais por incrível que pareça eu não sei odiar, então não era ódio, era vontade de esganar e gritar olhando nos olhos daquele moço, que tudo o que me restava era aquele bendito amor que falei no meio, que aquele negócio, tinha predominado todo o meu ser, e que meus incensos queimados no canto, não servia de nada mais. Não falei, não gritei e muito menos exclamei; eu só me afastei, possuindo mais uma vez aquela minha vidinha única, a minha face encaroçada em consequência das maquiagens que usava para chamar atenção daquele moço. Agora estou aqui procurando um meio de desaparecer, de mim mesma, encontrar proteção no meu destino, as coisas que eu sei que vai se resolver. Mais cedo ou tarde, eu retorno com os sonhos maiores do mundo, aceitando o pedido daquele homem que transformou a minha vida, encostando na sua nuca, e sussurrando: eu voltei, pra te fazer feliz. Do jeito que eu sei, e do jeito que você merece. Nanda Oliveira
Foi justamente naquela noite que eu te vi melhor, eu te vi inteiro, sem aquelas virgulas que te cobria e não deixava eu te enxergar além das suas roupas. Foi ali mesmo, naquela cama estreita, que cabia os nossos corpos, um do lado do outro. E que ficava vazia quando se entrelaçavam por entre aquele lençól, o único, que nus cobria, e velava as nossas almas. Fazendo companhia, aos gritos, suspiros, dor, e muito amor acumulado. Eu vi que seria o momento certo, a hora de me entregar, e não ser mais aquela menininha ingênua que um dia sonhou com o tal principe, mais aceitar a realidade e virar uma mulher .. quer dizer mulher eu já era, só que não precoce, não completa, realizada, mulher enfim. E fui! Naquela noite em que eu abandonei todos os meus quereres egocêntricos, e me dediquei a você, aos seus cuidados, a sua proteção com a mim. Jurei pra mim mesma que iria suportar tudo, principalmente ter que ir na manhã seguinte. Acontece que vimos o amanhecer, por debaixo daquele teto, no calor dos nosso abraço, na sua respiração ofegante, na minha vontade absoluta. Pensei em te pedir pra nunca me deixar, porque naqueles instantes estava tirando um pedaço de mim, e me rasgando por dentro, como anzol quando adentra a ísca. Só que tinha todas as certezas do mundo que apartir dali seriamos um só, repletos de tudo que simplesmente é irreal, é raro, é abstrato, é meu, seu. Suspirei umas trezentas vezes, tentando acreditar, olhando nos teus olhos em plena escuridão, e buscando alguma palavra que pudesse definir todo sufoco que estava preso em mim. Uma vontade de gritar, e insistir para que não fosse embora, ficasse ali parado, deixando eu passar as mãos por entre as suas costas e sentir a troca da brisa da manhã pelo calor da tarde, e depois as cores do pôr-do-sol misturadas a chegada da noite. Assim, por dias e dias .. mais vi que não era necessário te prender na minha vista, por que o óbvio estava exposto. E eu sorri - sabendo que já te tinha desde sempre, e agora. 04/09/11 *-*
Eu via o espelho daquela menina na minha frente, via que todos os meus passos iam em direção a ela. Que cada pontada de ânsia dolorosa que sentia se refletia em mim, da mesma forma. Os nossos cheiros combinavam em degradê,m da essência citrica ao cheiro inebriante açucarado que trazia comigo. Os nossos olhos dançavam a cada movimento brusco que realizavamos em função dos nossos corpos. Eles se contraiam como ímãs. Mais isso tudo não era nada comparado a sua voz. Aquela suave e autoritária que saia dela como a mudança das estações. Quando sussurrava me deslocava do meu eu, fazendo buscar delírios em lugares que nunca fui, mais suas certezas é o que mais me comove. Sabe lidar e programar as palavras no seu momento exato. Pode reparar que quando fala eu fico parado, olhando pra sua boca, tentando encontrar o segredo de tanta afinidade com a lingua. A lingua que contorna meus lábios quando nus beijamos, e que embola diálogos quando não se pode falar, e eu entendo tudo. Uma ligação para-normal que conduz o seu pensamento pra mim, fazendo uma surpreendente sintonia. Só que o mais inacreditavél é ver o quanto me conheçe, como sabe quando estou bem ou irônico, quando resmungo para não gritar, ou até quando respiro fundo para não mergulhar nas minhas lágrimas, mais é só você dizer algumas verdades que eu desmorono.
Acho uma graçinha o seu sorriso, e já te falei isso milhões de vezes; eu gosto de ficar perto do seu rosto e como já percebeu, fico hipnotizada vendo o canto dos seus lábios se dilata quando sorri. Seus olhos se fecham e transmite uma vergonha ingênua, pela face que aprendi a adimirar.
Fico observando os seus poros, tão expostos, tão vividos ; dentes brancos sombrancelhas distorcidas, e um cabelo diferente. É ai que eu acredito, que seu corpo combina com meu jeito. - e dá uma vontade de te grudar em mim, colar talvez. Para sentir vinte e quatro horas os batimentos rápidos do seu coração junto ao meu peito.
Mais sabe o que acaba comigo? Os seus suspiros ofegantes rente ao meu ouvido. Eles mudam os meus olhos de lugar, liberando toda vontade de me entregar e dizer : Faça o que quiser de mim, eu sou seu.
É, seu completamente. Todo o meu suor, todas as minhas fantasias, meu querer resumido no aperto dos meus dentes com o lábio inferior, todos os arrepios, toda minha maldade inofensiva, todo o meu amor. Tudo seu! Como se fossemos únicos, irracionais, à procura de razões para sumir, e encontrar um cantinho assim, só pra nós. Eu te cuidando e você me protegendo. Ou então adiantar o futuro, realizar esses nossos sonhos matinais que debatemos quando queremos falar para todos que não importa como , mais vamos ficar juntos, dividindo o mesmo lugar, os mesmos dias, os mesmos planos, os mesmos espelhos e só.

Obs : Ignorem os erros, caso tenha algum. Tô nervosa, e sem saco pra correção (:
empre imaginei que todos temos uma saída, um sentido para ignorar essas tristezas que insistem em nus perturbar quando achamos que tudo está indo bem, que estamos completamente felizes. E a minha forma de gritar é escrevendo. - Na verdade eu cansei de estar traduzindo todos os meus dias, meus momentos, angústias, minhas expectativas, tudo que veio me predominando há dois meses; a minha intuição não mente pra mim, ela pode adiar, mais mentir, ela não mente. E eu sabia que antes de construir, eu tinha que destruir, tinha que apagar, e que não podia de jeito ou maneira acreditar nisso. Mais com toda burrice do mundo, resolvi conhecer uma coisa que não sabia o que era, que pra mim era algo desconhecido, oculto, abstrato. Um negócio que dilacera, que confundi, desequilibra, te detona, enfim.. O amor ele é idiota, fraco, ele suga, e eu não sabia de todos esses malefícios até conhecer aquele moço. O moço que transformou todos os meus segundos em longas horas, em instantes que pareciam eternos. Desde o dia em que chegou naquela rodoviária, atrasado, com aquele ar de surpresa, e um sorriso surpreendente, eu me encantei. Eu apostei tudo que tinha, eu me entreguei a isso que chamam de paixão. Minha vontade era de segura-lo e não deixar ficar longe, de subir na mesa e anunciar o quanto eu estava feliz por ter encontrado o homem da minha vida, e que ele estava ali, do meu lado, que ele tinha largado tudo pra ver alguém que ainda não conhecia, que ele tinha abandonado todos os vínculos antigos para começar o novo comigo, que ele era lindo, mais do que imaginava, e que mais que tudo era o meu mistério, e eu o pertencia. Olhava o seu andar com espanto, era a primeira vez que a via de corpo inteiro, muito mais do que palavras e palavras que trocávamos durante o pré-encontro. Tinha todas as certezas, que Deus tinha posto a razão de toda a minha existência na minha frente, e eu tinha que demonstrar tudo de bom que sabia fazer, era a minha única chance; E foi o que fiz, dei o melhor que tinha, disse o que pensava, e me doei, da minha forma, mais tinha me doado. Descobrimos que estávamos dependentes, que não havia mais jeito, que era irracional aos nossos olhos, e ninguém poderia interferi. Era amor, nada mais que isso. Aquele amor gostoso, saudável, cuidadoso, aquele que faz arrepiar, e abrir mão de algo que nunca fiz, abrir mão da minha liberdade, de toda respiração. Eu aprendi a chorar, a falar baixo, conheci lugares lindos, escrevi os meus melhores contos, aprendi a ouvir, a apreciar frases perdidas que não fazia questão de ler, menosprezei pessoas, quebrei garrafas, andei sem rumo, rasguei minhas roupas, gemi desesperadamente, menti pra mim mesma, enfrentei o que mais temia, confiei, sorrir, um dos meus sorrisos, os mais bonitos, aqueles que temos quando sabemos que faz sentido, que dá cócegas em todo o corpo, e as mãos suam. Eu vi tudo de outro ângulo, eu fui feliz. Só que chega uma hora que todas aquelas alegrias violentas que me possuíam, tinha que ser trocadas por tristezas mais que violentas, tristezas que arregaçam,que consome, que se apossa da sua alma, como grandes sanguessugas, e você sabe que tem outras saídas, mais não opta. Porque já está confuso, porque já não é o mesmo. Porque não tem mais nenhuma orientação, e sabe que aquela razão de existência, que Deus tinha colocado na sua vida, está indo embora; e você não pode segurar prender, interromper. O máximo é deixar ir, sem medo, sem desespero, sem coração partido, nem arrependimentos. Com a cabeça erguida, e um pensamento: Mesmo que doa, vai passar. E foi assim que desliguei aquele telefone, olhei para os lados, e não tinha ninguém. Era a minha oportunidade, de me jogar no chão, colando a minha face, naqueles grãos de areia acumulados na varanda daquela casa, e chorar. Nada mais, só choro, pingos de água que saem dos nossos olhos quando o que está abafado aqui dentro quer sumir, e sabe que mesmo apertando os seus órgãos, pausando a sua mente, não acalma, não diminui. Só aumenta, aperta, ignora toda a sua força de estar bem, de ficar bem. E você repara que por mais que tentem isolar, esquecer alguns detalhes, eles aparecem. Ficam como balõezinhos acima da sua cabeça, lhe indicando que está presente, que foi uma escolha sua, e só são conseqüências, horríveis conseqüências. Levantei, passei a mão no rosto, e dei um suspiro de derrota, sabia que naquela hora eu estava em pé, mais quando chegasse em casa, nenhum ombro seria suficiente para agüentar aquele abandono. Ele me deixou, ele tinha me deixado, sabia que era definitivo, que era pra “sempre”, sem mágoas, só com medo, um medo maluco, desnecessário, o medo de me ter, de cuidar de mim. Era o que mais precisava, dos seus cuidados, da proteção que tanto falava quando tocávamos nesse assunto de dependência. Assumia sem vergonha que era uma das pessoas que me fazia um bem enorme, que eu precisava que me ensinou amar. E quando essas interrogações vinham a minha cabeça, as lágrimas pareciam que pulavam como gotas de chuva no meio de um inverno sem garoa. Eu podia ligar e implorar para que ficasse, eu podia calçar minhas sandálias, e ir em direção ao que me lembrasse dele, mais não fui. Porque quando agente quer, agente fica, agente agarra, aperta, tranqüiliza. Depois de algumas horas com a cabeça baixa, jogada naquele sofá, eu decidi que ia me desligar de qualquer coisa no mundo que me trouxesse aquele menino, me desligar de tudo mesmo. Desde os apelidos que costumava me chamar, até a nostalgia daquele corpo encima do meu, todo o afeto que estava me rodeando, seria decapitado quando eu entrasse naquele quarto. Quarto esse que presenciou muitas conversas, muitas juras, promessas, muitos beijos, muitos pontos. Só que me surpreendi, quando ultrapassei aquela porta coberta de estrelinhas cor-de-rosa, eu via uma menina jogada na cama com uma caneta na mão e o celular no ouvido, rindo, sonhando acordada com aquela voz do outro lado da linha, que afirmava coisas sensacionais, que se refletiam no brilho daqueles olhinhos castanhos e sofridos. Foi quando me virei, e visualizei aquela escada que não tinha um fim completo, como um túnel sem luz no final sabe? Ela me chamava, suplicava, parecia que só eu sabia o que dava naqueles degraus escuros e trocados vistos por mim. Mais não faria isso, seria um pecado, seria fraqueza, falta de coragem. Cadê aquela mulher autoritária que havia aqui dentro? Eu não encontrava, tentei por vezes me olhar no espelho e tentar enxergar alguém contente, aquela que acorda todas as manhãs pedindo que o dia seja doce, e analisando o quanto as coxas deram uma engrossada. Eu não tinha mais ânimo, literalmente eu não tinha mais nada. Estava um caco, estava oca, vazia, destruída. E nada podia mudar a minha situação; corri pelas ruas tentando encontrar alguém que me escutasse, que me entendesse, alguém que me dissesse o que eu tinha que fazer e me desse um remédio pra toda dor que começava dos dedinhos até o fio dos meus cabelos pretos. Eu queria um alguém desconhecido, disposto, real. Mais não tinha, e era o que acabava com todas as minhas esperanças. Voltei para o meu canto, sem pronunciar nada além de soluços decorrentes do abafamento que fechava toda a minha razão. Adentrei àquele quarto, e me recostei naquela mesinha que colocava todos os meus ursinhos de pelúcias, abracei vários e peguei no sono. Nanda Oliveira
Passei a noite me revirando naquela cama, que ainda não tinha me acostumado; apaguei todas as luzes pra ver se a escuridão ajudava no meu sono, que sinceramente já havia perdido há uns bons dias. E nada adiantou. - Levantei, fui a cozinha e virei um pouco de vodka na boa, precisava de um estimulo.
Algo que se completasse as canções do celular e ao meu choro preso. Durante á noite eu via toda cidade passando por aquele vidro empoeirado, e sentia uma saudade dele. Todos os lugares me trazia recordações, principalmente onde parava. - Era como se a minha rotina fosse ele, e agora o que tenho? Nada mais que lembranças.
Quando cheguei em casa, me encontrei mais uma vez sozinha. E para aliviar aquele vazio no estômago de horas sem comer, eu encarei um pouco daquela comida estranha , feita pela tailandesa que vive comigo. Seria o momento em que ia pausar o meu pensamento naquele menino, que ficava minutos na linha esperando eu jantar e escutando a conversa da minha família irônica, mais me surpreendi. A sopa estava repleta de pimenta, a pimenta que ele gostava. Que nos nossos beijos se misturavam em minha boca, e desencadeava toda aquela endorfina que estava acumulada esperando ser exposta.
Larguei tudo , com o amargo da falta, peguei o telefone e liguei ; com toda coragem do mundo, agora sim!
Tinha largado o meu orgulho, para escutar aquela voz hipnotizante que estava bem distante . - Ele atendeu com um ar despreocupado, contou sobre o seu dia, onde estava, e me perguntou se era realmente saudade, afirmei. Seguido de um boa noite, e mais uma vez ele retrucou: Só ligou pra isso? Sim. Jura? Juro.
E jurar pra mim agora era um não, era um fique, não desligue, tenho algumas coisas pra falar. Mais espere um pouco, deixe eu encontrar as palavras. E ele não esperou.
Desliguei com o coração apertado, nas mãos. E me joguei naquela cama que ainda não tinha me acostumado ...
19/09/11

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Não quero um thaul, você sabe que não. Quero um primeiro passo, um puxão quem sabe, uma certeza que se eu chegar, tudo vai chegar junto também. Eu jurei não mais me importar com o que eu sentia, porque sinceramente eu sou oca, vazia, despenada de emoções. Mais ai vem o seu cheiro, sua presença, seu sorriso meio timido, uma voz surpreendente que faz eu me calar, seus cuidados com minha alimentação, com minhas dores, com o que eu escrevo, e eu desmancho, eu encontro tesouros em mim, encontro o amor. E ele é maior que tudo. Juro'

.
Chega de drama, chega de agonia ; quero paz interior, quero calmaria completa. Me olhar no espelho, e ver como mudei, o quanto fiquei mais madura, compreensiva e idiota. Amor? Nunca acreditei nisso, nunca soube como lidava com isso, e agora ele me dilacera assim? complicado pela minha parte. Eu não escrevo mais, eu não ligo mais, eu não irei me preocupar com o que não é mais preocupado. Vou me calar, engolir esse silêncio e cuidar dos meus dias. O que for pra vim, vem, limpar a minha pele que está um horror, depois eu choro.
Eu não consigo escrever sobre você, não acho mais as palavras. É como se essa sintonia que criamos fosse vinda de muito, mais muito tempo atrás! Não sei ao certo o que pretendo fazer com toda essa expectativa de te encontrar, te abraçar forte e dizer o quanto eu esperei por esse nosso 'reencontro'. A única certeza que tenho é que você meche comigo, de uma forma impressionante, é como todo oxigênio que preciso pra sobreviver! Sinceramente tenho pensado em você a todos os instantes, durmo imaginando a sua voz sussurrando aos meus ouvidos o quanto gosta de mim e como queria estar perto. Sabe? você sempre me alertou sobre a necessidade que eu tinha em me apaixonar, e eu achava isso uma forma de auto-ajuda sufocante, mais hoje percebo que tudo serviu de gotinhas pra complementar o que já está sincronizado. Eu preciso de você, preciso estar com você, te preciso de todas as maneiras .. agora ! f. (L)

.

Sem Ana ,

Ainda pior do que aceitar que Ana tinha me deixado, era saber que eu nunca mais a viria. - Não que estivesse decretado, mais eu sabia ; que toda essa dor iria diminuir se eu não me encontrasse mais com Ana, não sentisse o seu cheiro, nem presenciasse aquele sorriso que "era" meu.
Ainda ontem conversamos, ela me contou sobre os seus problemas e eu me senti dentro deles, escutava, discordava, me lam...entava, por não estar lá com minhas manias de cuidado e afeto : Posso te abraçar ? E os olhos dela brilhavam, vindo em direção a mim.
Quando Ana se acalmou, ela quis saber como estava me sentindo, e eu quis gritar: Não está vendo? Estou precisando de você, sinto tanto a sua falta, que me dá um nó no peito todas ás vezes que escuto essa sua voz despreocupada e magoada, dói, machuca, acho que tudo o que me resta é uma alma vazia, e se eu me entrego aquela vodka é porque não consigo me conter a aquelas lágrimas, elas me agridem tirando todo o meu natural, e afirmando que não consigo mais viver-sobreviver sem você, ô Ana!
Volta! As minhas palavras não tem mais nenhum sentido e tudo o que ainda tenho é seu. - Me calei, ainda que dissesse tudo que estava encravado no meu coração sofrido, Ana não voltaria, ela estava decidida. Precisava e um deslize meu para ir embora de vez, ela tinha pena de mim, sabia que se me largasse eu ficaria ai no mundo, perdido, sem aquela proteção que tanto admirava; parecia a tradução daquela música, a primeira que Ana tinha me dado.
Fechei os olhos para não chorar, engoli todo desespero. Afinal seria vergonhoso entregar toda a minha tristeza assim. Desligamos e mais uma vez nada tinha dito, pensava : Meu Deus, esperei tanto por ela, pela sua chegada, pelo nosso re-encontro. Tudo consistiu em mudar , eu já não chorava, nem me sentia só. Ela tinha completado os meus dias, e agora?!
Me conformava afinal não tinha me doado totalmente, eu tinha medo de dar tudo o que me restava, tinha medo, nada mais que isso. Mais olha o que o medo me tirou. - Tirou o melhor que eu tinha.
Estava perdido, na verdade não sabia o que fazer para trazer Ana de volta, ela tinha desistido de mim, não lembrava mais do meu perfume, e nem do quanto gostava da parte de trás do meu quadril, afirmava isso sempre quando deslizava suas mãos pelas minhas costas e se encontrava naquelas curvas.
Abri o chuveiro, abaixei a cabeça e o meu choro se misturava com a água gelada que batia no meu pescoço e desencadeava a mesma dor de cabeça que senti a dois dias atrás.
Sai de lá com um gosto amargo na boca, o gosto da derrota, do fracasso, eu não sabia lutar, não era digno de possuir a pessoa mais incrível que apareceu no momento distraído que tive.
Mais uma chamada e Ana jogou tudo o que pensou durante todo esse tempo na minha cara, me pediu respostas, e eu burro não entendi que ela queria esclarecer toda minha perda. Sem se explicar disse que não me queria, que era pouco, nada de bastante ou suficiente, ela tinha me deixado com toda convicção que possuía naquela racionalidade imatura que tinha nas mãos.
Desesperado aceitei a ida de Ana, e mais uma terça-feira se concluía de remorsos. Deitei naquela cama coberta por um lençol rosado, virei de bruços e lembrei do quanto eu a amo, do quanto ela me fez feliz, de tudo que fez por mim. - Não relutei e vi tudo escurecer diante das minhas vistas, não me reconhecia, a abstinência do corpo daquela mulher me incomodava.
Tentei por vezes acabar com aquela imagem deprimente que via no espelho, gritei, solucei, me feri, queria me machucar de verdade, temi e vi que a dor do espirito é pior do que todas as feridas físicas.
Se dependesse de mim tocava fogo em toda essa matéria idiota, é idiota, como dizia Ana, que não me serve mais. Queria arrancar esse aperto aqui de dentro, o aperto que a própria Ana me causou ; mais resolvi guarda-lo, é a única coisa que permaneceu em mim, a única coisa que me traz lembranças do tempo que tive com aquela mulher impulsiva e diferente. Espero que Ana retorne, avisei que estaria parado, sentado em qualquer canto que me viesse em pensamento, e algumas renúncias de esperanças. - Mais a minha única certeza , é que Ana me deixou .. com todo amor que tenho.

[ Texto inspirado em um dos melhores contos do meu Mestre Caio Fernando Abreu, senti igualmente a ele .. como é perder uma Ana ] Nanda Oliveira

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Sabe , eu sempre imaginei como poderia ser no futuro, sempre esperei o melhor. E agora você me apareceu como o melhor, fazendo o melhor, sendo o melhor ; na verdade eu não esperava tanto, de você é claro. Mais com tantas expectativas em mim, eu descobri que o que tinha de acontecer, me chegou da melhor forma. Você é o meu melhor, e digo isso com todas as letras e certezas. Nanda O.
, eu preciso de um canto, de uma rede, de um tempo. Preciso respirar, mais , muito mais do que o normal ; é que esses dias estou tão cheia de mim, das minhas vontades, das minhas confusões .. eu quero sorrir um pouco mais, só que com força , nada de fingimentos. E se caso eu não conseguir, vou gritar, gritando e implorando que tudo o que eu construir, fique aqui, mesmo que quietinho, mais fique. E não vou me lamentar pelos meus erros, eles são meus, e ninguém precisa se apossar de nenhum deles. Eu vou deletando dia após dia, e uma hora estarei limpa, viva, nova, e sem eles. Nanda O.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Entenda ,

-: Somos diferentes, não vamos dar certo!
-: Claro que vamos.
-: Por que?
-: Porque não se completa quebra-cabeça com peças iguais.
''O jeito é curtir nossas escolhas e abandoná-las quando for preciso, mexer e remexer na nossa trajetória, alegrar-se e sofrer, acreditar e descrer, que lá adiante tudo se justificará, tudo dará certo.''MarthaMedeiros
" Conselho sob forma de enigma. - " Para que o laço não se desfaça - primeiro deves mordê-lo"
“Onde, afinal, é o melhor lugar do mundo? Meu palpite: dentro de um abraço.”
“Se a homossexualidade é uma doença, então deveríamos avisar diariamente no trabalho: ‘Oi. Não posso trabalhar hoje, ainda estou gay'”

Robin Tyler
Com pasta de dente que promete progeter por 12 horas, e desodorante que não vence por 24, cadê amor que dure mais de uma semana?
Bons ventos sopram por aqui. Nada de espetacular, nem específico, mas ando em boa onda de otimismo, cheia de uma alegria sincera'.

A dona Maria é até bonita *-*

quarta-feira, 13 de julho de 2011

moow c?


Faz alguns dias que eu tenho me sentido tão completa, tão cheia de amor ; eu sei que agente anda brigando muito e por besteira, mais é como se algo nus ligasse a meia distância, parece que quando sinto sua falta, você me entretêem com palavras lindas e confortantes. Tenho mil coisas pra falar, muitas mesmo .. demostrar o quanto estou sendo feliz por saber que anda abrindo mão de coisas simples e complicadas por mim. Sinceramente queria te sentir de novo , mais ' várias vezes ' , queria acordar do seu lado e sussurar no seu ouvido o quanto esperei para que tudo isso acontecesse!
Ah menina , eu nunca imaginei que um dia iriamos estar aqui, juntas e unidas, nus pertencendo [ por sinal ] ; Nem sei ao menos traduzir o que está significando pra mim, é como uma dependência, que com todos os enjôos e enganos, o amor é mais forte.

terça-feira, 12 de julho de 2011




-Sabe de uma coisa, Leitão? Às vezes as pessoas se preocupam demais, e eu acho que isso é amor.
se permita .

Pensava em fadas o tempo todo.E sem ninguém saber, em segredo, cada vez mais: acreditava acreditava.
Livrai-me Senhor, de tudo aquilo que for vazio de amor.

Let's Dance 08/07

Então não perca seu tempo comigo. Eu não sou um corpo que você achou na noite. Eu não sou uma boca que precisa ser beijada por outra qualquer. Eu não preciso do seu dinheiro. Muito menos do seu carro. Mas talvez, eu precise dos seus braços fortes. Das suas mãos quentes. Do seu colo pra eu me deitar. Do seu conselho quando meu lado menina não souber o que fazer do meu futuro. Eu não vou te pedir nada. Não vou te cobrar aquilo que você não pode me dar. Mas uma coisa eu exijo. Quando estiver comigo, seja todo você. Corpo e alma. Às vezes mais alma. Às vezes mais corpo. Mais por favor, não me apareça pela metade. Não me venha com falsas promessas. Eu não me iludo com presentes caros. Não, eu não estou à venda. Eu não quero saber onde você mora. Desde que você saiba o caminho da minha casa. Eu não quero saber quanto você ganha. Quero saber se ganha o dia quando está comigo. [C.F.A]
Querida, não chora; eu sei que está doendo, que vai sangrar! Mais a ordem é essa, quando você menos esperar tudo vai curar, cicatrizar. Você não vai nem sentir, e todo esse vazio que está ai vai se preencher, basta acreditar que pra cada porta que se fecha, outras duas se abrem!
É mãe , mais parece que nunca vai acabar, que vou morrer com essa dor ; é uma angústia que me vira do avesso ás vezes; como se você quisesse possuir e não ter noção das barreiras que empede a sua vontade.

[ Nanda O.]

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Sabe, eu gosto desse perigo que agente insiste correr, mais muitas vezes eu me sinto tão vazia, tão oca de sentimentos; quando as coisas parece que vão dar um pulo pra frente, você estraga tudo, com uma simples palavra. Tudo que eu mais quero e insisto é estar do seu lado, mais sempre; nada de metades, ou horas, ou reservas. Quero te possuir de uma forma que nenhuma outra mulher possa chegar, sentir os nossos perfumes intrelaçados mais uma vez, que por sinal são iguais. Quero sorrir a cada piada sem graça que pronuncia, ou após as caras safadas que anda fazendo quando me faz perder o chão e ter vergonha. Só que todo esse meu querer não chega nem perto da sua indecisão, as vezes eu penso em largar tudo, ir embora; ah cansei , sempre canso ;/

quarta-feira, 6 de julho de 2011




Depois de levantar duzentas vezes e ir para o canto do ringue, cuspir sangue e ouvir a torcida dentro do meu coração gritar pedindo mais, eu fui a nocaute.
“Tenho medo de te perder por falta de atenção ou por excesso dela. Tenho todos os motivos do mundo pra te pedir pra ficar comigo, do meu lado, mas não posso fazer isso, preciso sentir que você também quer estar comigo.”


As coisas são como são. Na hora certa. Espero (:
Sabe , eu tenho tantos rascunhos rasbiscados no meu antigo caderno, cada história surpreendente. sonho muito em colocar todos aqui, para que vocês possam imaginar como é viver em meio a tantas complicações, complicações essas que perambulam a cabeça de uma adolescente, madura o suficiente para não assumir a sua imaturidade em relação a paixões, amizades, dias de verão, ou tpm's suicidas.
É mais tenho uma preguiça de ficar digitando, e digitando sem ao menos ter noção de que alguém nesse mundo virtual está curtindo o que escrevo, sei lá ; Tento contradizer que isso aqui não é ' totalmente ' um lugar de lamentações, mais tudo que eu posto obviamente é uma maneira de fugir, de todos os paramêtros que tentam confudir a minha mente de alguma forma.
Quero publicar um livro, não esses que as pessoas lêem e depois larga encima das prateleiras de um armário velho e empoeirado; quero escrever o que muitos seres humanos perdidos em solidão quer ler e escutar, entender talvez.
Mais por enquanto, vou postando os meus sonhos em formas de letras aqui, afinal, as palavras têem poder (:


Quando os caminhos se confundem, é necessário voltar ao começo.

O que é melhor, um chá de realidade amargo ou um chá de ilusão doce ?

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Há pessoas que nascem para serem sós a vida inteira. Eu, por exemplo. (...) Freqüentemente me assusto, pensando que a vida vai acabar sem que eu encontre um grande amor ou uma grande amizade, ou mesmo uma grande vocação que justifique esse isolamento.

O que eu queria era alguém que me recolhesse como um menino desorientado numa noite de tempestade, me colocasse numa cama quente e fofa, me desse um chá de laranjeira e me contasse uma história. Uma história longa sobre um menino só e triste que achou, uma vez, durante uma noite de tempestade, alguém que cuidasse dele.

Mas gosto, gosto das pessoas. Não sei me comunicar com elas, mas gosto de vê-las, de estar a seu lado, saber suas tristezas, suas esperas, suas vidas.


Não sei se será possível à gente escolher as próprias verdades, elas mudam tanto. Não só por isso, nossas verdades quase nunca são iguais às dos outros, e é isso que gera o que chamamos de solidão, desencontro, incomunicabilidade.

-
Eu quero um punhado de estrela maduras
Eu quero a doçura do verbo viver.
-

Caio F. Abreu
(…) mas encontro as docilidades de Deus na coisas mais simples,e tudo serena.
Ela queria se amar um pouquinho mais e mandar pra casa do caralho as pessoas todas que não souberam a amar como ela merecia.
Eu sempre digo que eu posso ter uma solidão medonha, mas sempre vai haver um vasinho de flores num canto. @FODÁSTICO
Para provar novos chás, é preciso esvaziar a xícara.

-
Caio Fernando Abreu.

Treinamento intensivo ,

Eu treinei viver sem você. De tanto treinar me acostumei.

Sakas ?

Não faz diferença se você vem amanhã ou não vem. Desisti de esperar por alguém cuja ausência me faz companhia.
Incertos são nossos amores, e por isso é tão importante sentir-se bem mesmo estando só.
Há momentos em que tudo o que a gente precisa é dar colo para o próprio coração.
Decifra-me, mas não me conclua. Eu posso te surpreender.

Toma Paulinho, haha

Mas também acho que aquilo que é bom, e de verdade, e forte, e importante – coisa ou pessoa – na sua vida, isso não se perde.
(Silêncio)

-Mas não seria natural.
-Natural é as pessoas se encontrarem e se perderem.
-Natural é encontrar. Natural é perder.
-Linhas paralelas se encontram no infinito.
-O infinito não acaba. O infinito é nunca.
-Ou sempre.”

-
Caio Fernando Abreu
Eu quero crescer. Juro, quero mesmo. Quero aprender línguas que não sei. Quero conhecer novas culturas, povos, lugares. Quero me desapegar do velho. Quero não me fechar para as mudanças e para o novo. Quero dar amor, afinal, é ele a grande essência da vida. Quero não acumular rancores nem alimentar mágoas. Quero aprender a me pedir desculpa. Quero abandonar algumas saudades. Quero aprender a conviver com o que não posso modificar. Quero me mover mais e mais e mudar o que está ao meu alcance. Quero pouco e quero muito. Quero nada e quero tudo. Quero esquecer o que precisa ser esquecido. Quero nunca deixar de sorrir. Quero aprender a descascar laranja. Quero perder o medo de trovão. Quero ir. E vir. Mas nunca, nunca mesmo, deixar de sentir.
-
Ainda bem que sempre existe outro dia. E outros sonhos. E outros risos. E outras coisas.
É terrível viver contando moedinhas de afeto.

-
Ana Jácomo

UM FATO SÓ MEU, EU ACHO ;

Publicar um texto é um jeito educado de dizer “me empresta seu peito porque a dor não tá cabendo só no meu.
Ele pode estar olhando tuas fotos neste exato momento. Por que não? Passou-se muito tempo, detalhes se perderam. E daí? Pode ser que ele faça as mesmas coisas que você faz escondida, sem deixar rastro nem pistas. Talvez, ele passa a mão na barba mal feita e sinta saudade do quanto você gostava disso. Ou percorra trajetos que eram teus, na tentativa de não deixar que você se disperse das lembranças. As boas. Por escolha ou fatalidade, pouco importa, ele pode pensar em você. Todos os dias. E, ainda assim, preferir o silêncio.Ele pode reler teus bilhetes, procurar o teu cheiro em outros cheiros. Ele pode ouvir as tuas músicas, procurar a tua voz em outras vozes. Quem nos faz falta, acerta o coração como um vento súbito que entra pela janela aberta. Não há escape. Talvez, ele perceba que você faz falta e diferença, de alguma forma, numa noite fria. Você não sabe.Ele pode ser o cara com quem passará aquele tão sonhado verão em Paris. Talvez, ele volte. Ou não.

-
Caio Fernando Abreu.

BASTA

Você me tem fácil demais
Mas não parece capaz
De cuidar do que possui...

-
Kid Abelha

Lição de casa

Não se importe, não se apegue, não ligue, não procure, não fique em cima, não seja disponível.. E verá como tudo se torna mais fácil.

ESSA É PRA VOCÊ , j.

Me escondo dessas tuas histórias que me enredam cada vez mais no que não és tu, mas o que foste. Tento fugir para longe e a cada noite, como uma criança temendo pecados, punições de anjos vingadores com espadas flamejantes, prometo a mim mesmo nunca mais ouvir, nunca mais ter a ti tão mentirosamente próximo, e escapo brusco para que percebas que mal suporto a tua presença, veneno, veneno, às vezes digo coisas ácidas e de alguma forma quero te fazer compreender que não é assim, que tenho um medo cada vez maior do que vou sentindo em todos esses meses, e não se soluciona, mas volto e volto sempre, então me invades outra vez com o mesmo jogo e embora supondo conhecer as regras, me deixo tomar por inteiro por tuas estranhas liturgias, a compactuar com teus medos que não decifro, a aceitá-los como um cão faminto aceita um osso descarnado, essas migalhas que me vais jogando entre as palavras e os pratos vazios, torno sempre a voltar, talvez penalizado do teu olho que não se debruça sobre nenhum outro assim como sobre o meu. Tornarei sempre a voltar porque preciso desse osso, dos farelos que me têm alimentado ao longo deste tempo…
Alguma coisa em mim — “amadurecimento” ou “encaretamento” ou até mesmo “desilusão” ou “emburrecimento” — simplesmente andou, entendeu?

-
Caio Fernando Abreu.
"Não tiro ninguém da minha vida, apenas reorganizo as posições e inverto as prioridades"
‘Se o tal “amor” é impontual e imprevisível que se dane! Não adianta: as pessoas são impacientes! São e sempre vão ser! Tem gente que diz que não é. “Eu não sou ansioso, as coisas acontecem quando tem que acontecer.” Mentira! Por dentro todo ser humano é igual: impaciente, sonhador, iludido. Jura de pé junto que não, mas vive sempre em busca da famosa cara metade! Pode dar o nome que quiser: amor, alma gêmea, par perfeito, a outra metade da laranja… No fim dá tudo no mesmo. Pode soar brega, cafona. Mas é a realidade. Inclusive o assunto “amor” é sempre cafonérrimo. Acredito que o status de cafona surgiu porque a grande maioria das pessoas nunca teve a oportunidade de viver um grande amor. Poucas pessoas experimentaram nesta vida a sensação de sonhar acordada, de dormir do lado do telefone, de ter os olhos brilhando, de desfilar com aquele sorriso de borboleta azul estampado no rosto.
-
Luis Fernando Verissimo
Nem terapia, nem remédio, nem bebida, nem amigos, nem oração. A única coisa que ajuda a superar um menino é um homem.

-
Quero ficar só. Gosto muito das pessoas, mas às vezes tenho essa necessidade voraz de me libertar de todos.

-
Lygia Fagundes Telles.

love, love, love

Depois de tantos planos, tantos sms's, tantas verdades escondidas atrás de brincadeiras ; ali estavámos nós, juntas e completas. Ne um momento único, que até agora me faz relembrar do nosso extase absoluto. Como se tudo que me pertencesse se apagasse e só estivesse espaço pro seu calor, seu cheiro, seu corpo!
E eu que achava que nunca iria passar apenas de palavras.
Não se preucupem, tenho tudo em detalhes, nas antigas folhas de rascunho do meu diário ; em breve estarei postando toda a história, de uma tarde de domingo inesquecivél *-*
(…) Andei amando loucamente, como há muito tempo não acontecia. De repente a coisa começou a desacontecer. Bebi, chorei, ouvi Maria Bethânia, fumei demais, tive insônia e excesso de sono, falta de apetite e apetite em excesso, vaguei pelas madrugadas, escrevi poemas (juro). Agora está passando: um band-aid no coração, um sorriso nos lábios – e tudo bem. Ou: que se há de fazer.

Perfil do Orkut, gostei.

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Caraleo, tava escutando e vendo o dvd da Maria & do Caetano , e de inicio estranhei o nome duma música "dele" que ainda não conheçia. Vaca Profana ;S
Ri dms, quando a escutei de entrada, uma letra meio abstrata e cômica ao mesmo tempo, me passei por ignorante para os natos , depois me empolguei com a batida, e enfim vim entender a letra ; haha
Escutem , é interessante (:

Respeito muito minhas lágrimas
Mas ainda mais minha risada
Inscrevo, assim, minhas palavras
Na voz de uma mulher sagrada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da manada
Vaca profana, põe teus cornos
Pra fora e acima da man...
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona das divinas tetas
Derrama o leite bom na minha cara
E o leite mau na cara dos caretas

Segue a "movida Madrileña"
Também te mata Barcelona
Napoli, Pino, Pi, Paus, Punks
Picassos movem-se por Londres
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horizonte
Bahia, onipresentemente
Rio e belíssimo horiz...
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca de divinas tetas
La leche buena toda en mi garganta
La mala leche para los "puretas"

Quero que pinte um amor Bethânia
Stevie Wonder, andaluz
Como o que tive em Tel Aviv
Perto do mar, longe da cruz
Mas em composição cubista
Meu mundo Thelonius Monk`s blues
Mas em composição cubista
Meu mundo Thelonius Monk`s...
Ê, ê, ê, ê, ê,
Vaca das divinas tetas
Teu bom só para o oco, minha falta
E o resto inunde as almas dos caretas

Sou tímido e espalhafatoso
Torre traçada por Gaudi
São Paulo é como o mundo todo
No mundo, um grande amor perdi
Caretas de Paris e New York
Sem mágoas, estamos aí
Caretas de Paris e New York
Sem mágoas estamos a...
Ê, ê, ê, ê, ê,
Dona das divinas tetas
Quero teu leite todo em minha alma
Nada de leite mau para os caretas

Mas eu também sei ser careta
De perto, ninguém é normal
Às vezes, segue em linha reta
A vida, que é "meu bem, meu mal"
No mais, as "ramblas" do planeta
"Orchta de chufa, si us plau"
No mais, as "ramblas" do planeta
"Orchta de chufa, si us...
Ê, ê, ê, ê, ê,
Deusa de assombrosas tetas
Gotas de leite bom na minha cara
Chuva do mesmo bom sobre os caretas..
"Coragem, às vezes, é desapego."
Olha como vai ficar a minha tatto ; uma frase do Caio f .
" - Livrai-me de tudo aquilo que trava o riso "

em arábe ;نجني من كل ما يعوق تضحك لي
- Como assim eu mudei? Quando?
- Quando deixou de ser aquilo que era. Até mesmo quando deixou de fazer questão de todas essas coisas que eu resolvi dar importância. E só dei importância porque quis que você soubesse o quanto eu a amo, o quanto sempre a amei. Antes eu nunca tivesse dito absolutamente nada do que eu disse. De repente, não estaria doendo como dói agora. Mas mesmo querendo muito a sensação de me arrepender de ter dito tudo o que eu disse, prefiro mesmo que você saiba. Um dia talvez você entenda o quanto a sua distração me dói, o quanto esse seu silêncio me rasga. O quanto machuca ver que se estragamos o que poderíamos ser não foi por causa das nossas muitas brigas ou diferenças, foi porque desistimos de ser aquilo que sempre fomos não querendo estragar o que já tínhamos sido sem erro algum. E se isso vai te fazer feliz então seja. Mas não vai ser comigo.

domingo, 12 de junho de 2011

dia dos namorados e eu queria que fosse primeiro de abril ;/

[ C.F.A ]
Alô? Tem algo marcado pra hoje? Queria saber se você quer sair para beber alguma coisa? (E ouvir umas histórias. Contar algumas também. Botar a conversa em dia… Falar sobre nós um pouco, talvez. Contar umas estrelas. Fazer uns pedidos. Quem sabe realizar alguns meus. Rir um pouco. Sentir-se leve. Esquentar um pouco os pés frios… O coração vazio. Se não quer sentar e relembrar o passado. Matar essa saudade. E essa vontade. Quem sabe sentir alguma vontade. Não sei… Queria saber se você não está a fim de amar um pouco? Se aceita ser amado. E me amar.)

sábado, 21 de maio de 2011




*----------*
Talking To The Moon


I know you're somewhere out there
Somewhere far away
I want you back
I want you back
My neighbors think
I'm crazy
But they don't understand
You're all I have
You're all I have

Chorus:

At night when the stars
light up my room
I sit by myself
Talking to the Moon
Try to get to You
In hopes you're on
the other side
Talking to me too
Or am I a fool
who sits alone
Talking to the moon

I'm feeling like I'm famous
The talk of the town
They say
I've gone mad
Yeah, I've gone mad
But they don't know
what I know

Cause when the
sun goes down
someone's talking back
Yeah, they're talking back

Chorus:

At night when the stars
light up my room
I sit by myself
Talking to the Moon
Try to get to You
In hopes you're on
the other side
Talking to me too
Or am I a fool
who sits alone
Talking to the moon

Do you ever hear me calling?
Cause every night
I'm talking to the moon
Still trying to get to you

In hopes you're on
the other side
Talking to me too
Or am I a fool
who sits alone
Talking to the moon

I know you're somewhere out there
Somewhere far away



Música lindaaaaaaaaaaa, que me faz chorar ;/

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Alguém se habilita ?

Eu preciso de uma vitima , uma vitima não! Alguém que queira me pertencer, e que troque todos os dias comuns por minha companhia. Que nas minhas horas de loucura, me ofereça uma noite de amor, pra que tudo fique bem. Que sussurre no meu ouvido coisas que me tire do chão e em seguida me faça pedir pelo seu calor; coisa que é muito raro no meu estado normal. Não sou de implorar, gosto de mandar, discordar, concordar.
Quando perceber que estou mal, chegue perto, me abraçe e fique calado. Mais quando eu estiver alegre, feliz, sei lá, como chamam essas coisas que deixam agente sorrindo o tempo todo .. me faça as melhores e impossivéis juras, me leve pra longe de tudo, farei o que quiser, trocarei os meus melhores beijos, irei desvendar os segredos das estrelas, e como é bom o gosto dos opostos. Me mande flores, se quiser ganhar uns pontinhos na carteira ; afinal qual mulher não gosta de rosas?
Me sequestre no meio do expediente de trabalho, me chame de minha. Eu adoro PERTENCER; Diga que estou linda, mesmo quando eu acabar de acordar.
Cante, toque, traga a arte pra nós; mais não esqueça de olhar nos meus olhos; é onde encontra todo o meu mistério.
Tenho medo do escuro, então de vez em quando durma comigo. Nesses de "vez em quando" experimente me ver dormir, verá que atrás dessa garota rebelde e durona se esconde uma menina ingênua e carente.
Me passe o máximo de segurança, quero sair de mãos dadas mundo afora, sentar numa praça e gritar o quanto sou completa.
Me escute e me dê atenção; ás vezes falo demais, e não gosto que "me deixem no ar". Gosto do inesperado, então não se assuste quando eu resolver largar tudo pra tomar um banho de chuva. Uso perfume doce, choro, esperneio, me jogo num canto, amo jujuba e todos os tipos de guloseimas, escuto música arábe pra relaxar, tenho muitas velas e incensos; é coleciono incensos de canela *-*
Meu cabelo costuma não se comportar na presença de seres humanos , é sério. Fanática por mpb, poucas tatuagens e pessoas de atitude, durmo com ursinhos e escrevo de tudo.

Alguém ?

segunda-feira, 16 de maio de 2011

O que eu fui pra você afinal ?


Eu não estou diferente, simplesmente estou vivendo a realidade. Cansei de sonhar, de criar expectativas em algo que não tenho certeza. Pra mim não importa distância, o que importa é sentimentos, verdades. Eu nunca gostei de historinhas, e não tenho saco pra dúvidas!
Eu me joguei tanto nisso, queria até me transformar em outra pessoa; mais não consegui fugir de mim [...]
Hoje só me resta desviar, procurar rumos que não envolva você , porque sinceramente eu acreditei que iria me fazer feliz, só que em meio a tantos desencontros, tudo o que conseguimos foi destruir um amor tão lindo, tão recíproco. Eu sofro tanto por você ter aparecido na minha vida, e transformado "acabado" tudo o que tinha regado a um bom tempo, toda minha independência emocional, foi embora com o vento; e agora só me resta desprezar, é , todas as mentiras, todos os enganos, todos os sonhos que criei ingenuamente. Pra você só desejo juízo, porque se continuar assim, um dia não vai mais se conter em contos de fada.

Tenho tanta coisa pra dizer, mais por agora é só isso; quer dizer que fique gravado .. Não pretendo mais me consumir com infanticidade e coisas do genêro, quero presença, calor, como diz a música : Perto dentro encima de mim (8)
E não esquecendo, não finja não saber do que se passa, infelizmente quem errou foi você (:

Outra noite que se vai ;/

Outra noite que se vai
Eu não tô correndo atrás
Quanto tempo já passou
E a gente nem se falou
Quanta coisa a gente faz
Depois quer voltar atrás
Outra noite que você
Passa e finge que nem vê
Não esconde o teu rancor
Quer tentar me enlouquecer
Quanta coisa a gente faz
Depois quer voltar atrás
Então, me diz alguma coisa
Bate aqui de madrugada
Pra lembrar daquele tempo
Pra sempre ou só por um momento
Me dá um beijo na boca
E depois me leva pra tua casa
Perguntou por mim que eu sei
Olha, por mim vai tudo bem
Disse que me viu passar por aí
E que eu não tava muito bem
Quanta coisa a gente faz
Depois quer voltar atrás

Tenho meus desatinos.
Detesto coisas mais ou menos, não sei amar mais ou menos, não me entrego de forma mais ou menos.
Se você procura alguém coerente, sensata, politicamente correta, racional, cheia de moralismo…
Equeça-me!
e você sabe conviver... com pessoas intempestivas, emotivas, vulneráveis, amáveis, que explodem na emoção...... acolha-me
.E creio: todo encontro é destino. .... porque o mundo além de pequeno é mágico (:


Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher que eu acabei me tornando mulher demais para ele.
Ele quem mesmo?
Nada em mim foi covarde, nem mesmo as desistências: desistir, ainda que não pareça, foi meu grande gesto de coragem.


ENTENDEU ?

Esperar dói . Esquecer dói . Mas não saber se deve esperar ou esquecer é a pior das dores.
Eu preciso sentir que você ainda sente, eu preciso que o seu coração dê um choque no meu, eu preciso saber que seu peito ainda aperta um pouco quando eu vou embora e se espalha como borboletas nas veias quando eu chego

Eu constantemente sinto saudade das coisas que perco, mas não as quero de volta.
Já doeu uma vez.”

- Caio Fernando Abreu
Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa. . .

Ou me quer e vem, ou não me quer e não vem. Mas que me diga logo pra que eu possa desocupar o coração.

domingo, 15 de maio de 2011

Você será minha princesa
E eu serei seu Toad
Seguirei atrás de você
Na estrada do arco-iris
Te protegerei dos cascos vermelhos
Por onde nós formos
Eu prometo.





Mario Kart Love Song - Música foofa *-*
, a frida linda que me enviou (:
Em pleno domingo e eu aqui perdida na internet, certo que se eu sair corro o risco de pegar um resfriado, mais enfim .. queria muito ir pro forró do laço hoje, mais atolar o meu salto de oncinha nem dá né ? um lamaceiro horrível, e mesmo contudo me conformei. Jurei pra mim mesma, que não ia transformar esse Blog em um "diário" virtual, mais fazer o que se tudo que escrevo são relato dos meus dias complicados e apreensivos. Hoje estou até de boa, conversei com algumas amiguinhas, desprezei pessoas que não merece o meu Oi (: e conheçi alguém novo, que me fez fugir da rotina, e como se não esperasse me encheu de elogios, seguidos de julgamentos .. claro.
Ah eu nem sei o que eu tô hoje, eu tô louca, parada, estranha, eu tô como sempre.. tô baiana, tô fernanda, tô mulher. Tô carente, e precisando de atitudes, chega de palavras, não aguento mais escutar, eu quero gritar, voar talvez, não quero mais sorrir.. porque cansei de trazer no rosto a vida que não levo. Eu quero te chingar, e dizer o quanto seria melhor se não aparecesse na minha vida a um mês atrás, queria não ter gostado de você. Como eu queria mudar as coisas, trocar de lugar, formatar meu coração, transformar o amargo em doce, poisé " e que seja doce " ! Que seja real, doloroso mais real, que seja como tem que ser, como virá, como se foi , como eu espero .

UFA,é como se o peso desse teu ódio que me predomina, descesse sobre o ralo (:
" Nunca exploda os seus sentimentos, sejam eles pra te fazer mal ou bem; quando estiver assim meio inseguro, tome um drink "

Um dos trechos mais significativos que já vi, e a realidade que nunca soube lidar. Sentir, pensar, querer, verbos que me possui constantemente e me faz gritar pro mundo o quanto eu quero viver bem, da melhor forma e ser feeeeeeliz. E não é uma felicidade pequena não viu? É a que predomina todos os meus sentidos, fazendo com que as pessoas saibam das minhas vontades recíprocas e ocultas, que me distância do mistério.
Os "meus" sempre me criticavam pela minha boca aberta. Nunca fui de guardar segredos, procuro meios para abrir minha vida ao leu; Não sei se isso é um defeito, mais me incomoda e muito. As vezes penso que fazendo essas loucuras , os "outros" vão me ajudar de alguma maneira, e o que ganho? NADA.
Nada, é sério! Fica sempre sub-entendido aos meus olhos e isso é o que mais me irrita.
Eu dou valor a quem possui um olhar vago, tranqüilo e com histórias presas, e minha curiosidade sempre foi o que me identificou muito, e pra mim CONFIANÇA nunca foi AFINIDADE.
Espero que mude, que um dia eu seja vaga também, e fique assim de longe só a observar , SEM EXPLODIIIIIR (:


Nanda Oliveira ,
“Deixa estar que o que for pra ser vigora”!
Até que a frase tem um sentido lógico, mais será que todos deixam “estar” ou antecede os quereres em precipitações?
Difícil esse negócio de tempo, eu sempre fui muito ansiosa e determinada, e tenho pavor a tudo que se relacione a “esperar o tempo passar”. Entendo que as coisas acontecem na sua hora certa, mais pra que saber das conseqüências antes?
Sinceramente sou contraditória a esses pensamentos óbvios que as pessoas fazem de crenças, passadas por gerações e experiências. Eu gosto mesmo é de pensar, analisar da minha maneira, me colocar em todos os lugares e sentidos.
Do que adianta bater na mesma tecla e quando se deparar com a situação não saber o que fazer? Como essas minhas palavras tão certas e interrogativas. O jeito é acabar com todos os problemas, e não se importar com a aparência ou a forma como se prosseguem no tempo.

Nanda Oliveira 14/05/11
Certa vez estava conversando com uma amiga e ela me perguntou sobre a situação amorosa a qual estava, e eu respondi: Que a nostalgia do passado estava me consumindo, mais eu sabia com que estava lidando. Depois do diálogo que tive eu parei pra pensar e percebi minha contradição a “nostalgia do passado”. Mais se não fosse passado seria presente ou futuro? A palavra literalmente definia tudo, e eu como sempre fiquei intrigada com isso.
O bom seria se pensássemos nas conseqüências que estava por vir, e fazer o melhor possível para lembrar da nostalgia de uma forma gostosa, com saudade, e não exclui ela como se só servisse para ensinar e bloquear histórias que fizeram sofrer, e só depois ganhar a temível experiência.
Que tal mudarmos isso?
Lembrar do passado como uns bons dias de verão, sugar o máximo, pra lá na frente ter histórias, não... Ter muitas histórias pra contar. E como diz uma das músicas que adoro: Vendo a vida passar pela janela [.]
O passado é agora, o futuro é daqui a um segundo, corra atrás dos seus parágrafos. Para amanhã poder dizer o quanto foi incrível viver esse meio tempo.

Nanda Oliveira
( Relatório inspirado após uma conversa com a Polly)
Ás vezes eu olho pra esse quarto e me sinto tão vazia, tão desocupada, sei lá, reclamamos tanto de estarmos cansados, da mesma rotina, do mesmo lugar, das mesmas coisas. Nus culpamos por tudo; se o cabelo não está arrumado, se o tempo fechou, se está de férias e não tem nada pra fazer. É como se nunca nus contentássemos e não fosse o bastante.
Queria tanto parar de me preocupar com essas “coisinhas” fúteis e que não vão me acrescentar em nada; a não ser a desmotivação que me predomina todas as vezes que penso em debater o tédio.
Gritamos tanto a felicidade, a vontade de curtir a vida, e o tempo vai passando que nem percebemos. Quando pararmos e colocarmos os pés no chão, nada vai voltar. Porque a hora de mudar é agora.
Tantas coisas lindas pra se ver, fazer, jurar... Tantos projetos, expectativas, pessoas, canções, verdades a ser espalhadas aos quatro ventos.
A vida não é só bonita em novelas não, ela se torna real quando se temos vontade de prosseguir com todo gás. O universo teme em conspirar sobre a gente; E querer só é poder quando se tem força de vontade.
Experimente acordar de bem consigo mesmo, experimente aproveitar muito, aproveitar até cansar de muita realidade, e depois me conte o que achou !
Ah , quando achar que tudo está na mesma, aquela maresia insuportável : leia um livro, saia sem destino a procura do que ainda estar por vir, respire novos ares, e não se desanime com o simples fato de ter um momento para inventar o que pode escrever no dia de hoje (:

Nanda Oliveira 14/05/11

segunda-feira, 9 de maio de 2011


Preciso muito que alguma coisa muito muito boa aconteça na minha vida (:

UFFA NOVAMENTE ;

Hoje eu falei tudo o que estava me sufocando , por um lado deu certo. Mais pro outro achei que o silêncio tomou os meus pensamentos confusos por suposições que eu prefiro nem comentar. Já faz um tempinho que a minha amiga [ Carol ] abri meus olhos, sempre dizendo : Nanda , você está levando muito a sério. Calma ! E eu nunca escutei, afinal não me importava justamente no que os outros pensavam. Mais e no que você pensa , eu me importo. Caraleo, eu não consigo disfarçar os meus quereres, mil e uma pessoas afim de casar comigo, e aqui estou vivendo um AMOR PROIBIDO .. eu nunca soube o que se passava na sua cabeça ; imagina no seu coração ;S

NEM CONSIGO MAIS DIGITAR , desculpa. [ essa foi minhas últimas palavras pra ele DD: ]

sexta-feira, 6 de maio de 2011

'Eles se amam, todo mundo sabe mas ninguém acredita. Não conseguem ficar juntos. Simples. Complexo. Quase impossivel. Ele continua vivendo sua vidinha idealizada e ela continua idealizando sua vidinha. Alguns dizem que isso jamais daria certo. Outros dizem que foram feitos um para o outro. Eles preferem não dizer nada. Preferem meias palavras e milhares de coisas não ditas. Ela quer atitudes, ele quer ela. Todas as noites ela pensa nele, e todas as manhãs ele pensa nela. E assim vão vivendo até quando a vontade de estar com o outro for maior do que os outros. Enquanto o mundo vive lá fora, dentro de cada um tem um pedaço do outro. E mesmo sorrindo por ai, cada um sabe a falta que o outro faz. Nunca mais se viram, nunca mais se tocaram e nunca mais serão os mesmos. É fácil porque os dias passam rápidos demais, é dificil porque o sentimento fica, vai ficando e permanece dentro deles. E todos os dias eles se perguntam o que fazer. E imaginam os abraços, as noites com dores nas costas esquecidas pelo primeiro sorriso do outro. E que no momento certo se reencontram e que nada, nada seja por acaso.' C.F.A


[ retirado do blog da minha best " Polly " , ameeeeeeei . quer dizer amo todos os textos do Caio fernando abreu né ? Só que esse me tocou, trouxe uma nostalgia gostosa de um amor antigo *-* ]

quinta-feira, 5 de maio de 2011

“A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos, servindo de curativo pras feridas antigas? Porque amar também é isso, não? Dar o seu melhor pra curar outra pessoa de todos os golpes, até que ela fique bem e te deixe pra trás, fraco e sangrando. Daí você espera por alguém que venha te curar. As vezes esse alguém aparece, outras vezes, não.”
[caio fernando abreu]
"Eu sei como é tudo isso,


"Eu sei como é se segurar e deixar para chorar só quando ligar o chuveiro, assim ninguém percebe. Eu sei como é refletir sobre a vida antes de dormir e se certificar de que ninguém está ouvindo para começar a soluçar. Eu sei como é sofrer tão dolorosamente que as vezes você precisa fingir que vai ao banheiro, ou beber água, apenas para lavar o rosto e se recompor. Eu sei como é ter os olhos úmidos e aquele medo de que não seja forte o suficiente para segurar as lágrimas quando está em público. Eu sei como é sentir aquele nó enorme na garganta, que te sufoca, até que você cede e chora. Eu sei como é sentar na cama, pegar o travesseiro e chorar tanto, mas tanto, que se surpreende com o rio que terá que esconder da sua família. Acredite, eu sei como é tudo isso."
A pior coisa do mundo é quando alguém faz você se sentir especial, e de repente, te deixa de lado. E aí você tem que agir como se não se importasse.

FATO
Eu conheço o seu coração. Seu coraçãozinho que já foi quebrado, estilhaçado em mil pedacinhos, como um copo de cristal que cai no chão. Conheço seus pensamentos, cada um que passa na sua mente, conheço os seus sonhos, conheço os seus desejos, o que você gosta e não gosta. Além de tudo isso, eu conheço a dor que você sente. Não por conhecer tudo, mas por sentir ela com você. E quando você chora, eu choro junto, quando você se tranca no quarto, eu não deixo ninguém entrar, te coloco no meu colo e deixo você chorar, até que durma. Agora você sabe porque se sente em paz quando chora? É porque eu recolho suas lágrimas, para que eu as chore no seu lugar. E quando sua dor para, é porque eu estou sofrendo por você. Eu estou quieto, e você está se remoendo de raiva de mim. Estou quieto, porque quero preparar algo maravilhoso no fim do tunel, para que você perceba, que mesmo que tenha sido escuro por todo o caminho, eu estive ali, na sua frente, retirando todas as pedras pra você, machucando-me por você, sangrando no seu lugar… Você sofreu, eu sei, mas sofreu o mínimo, aquilo que eu sei que você poderia sofrer, o que você não podia, eu sofri. Você está com raiva de mim. Mas eu não me importo. Porque eu te amo além de tudo. E vou continuar sofrendo por você, vou continuar chorando por você e com você de noite, de manhã, de madrugada. Vou continuar do seu lado quando você se trancar no quarto pra escutar qualquer música no ultimo volume. Vou te amar. Mesmo que você me odeie e não me queira mais, vou continuar te querendo. Mesmo que sinta muita raiva de mim, a única coisa que eu vou fazer é te amar mais.
Com amor,
DEUS
"E inúmeras vezes você me dizia "se cuida". Eu achava que era pra cuidar do meu exterior, pra não tomar chuva, pra não cair,não andar sozinha à noite...acho que entendi errado.Acho que você queria dizer pra cuidar do meu coração porque eu não percebi, mas você já sabia que partiria em breve. E eu ficaria aqui aos cacos por dentro.
Não, eu não vou dizer que você é o meu amor. A partir do momento em que eu passo a rotular as pessoas, eu perco elas. Aconteceu isso com melhores amigos e amores antigos. Então, você pode ser o meu mundo, mas o mundo nunca saberá disso.


- BoaNoiteCinderela
Menina: Deus, já não sei mais o que eu faço, não consigo aguentar.
Deus: Todas as horas que se sentir confusa, olhe pra mim, sempre vou estar ai do seu lado, sempre, irei te abraçar, e te conduzir ao caminho certo, mas precisa confiar em mim, eu nunca irei te dá uma cruz maior do que você possa carregar.
Alice: Isso é Impossivel
Chapeleiro: Só se você acreditar que é.
Uma coisa é certa: ficar sentado se sentindo infeliz não vai mudar nada.
O Menino do Pijama Listrado
Ah, se eu soubesse que era a última vez… Não teria dito nada do que disse, não teria feito nada além de te abraçar e aproveitar cada segundo sem tirar os olhos de você. Se tivessem me avisado que era a última vez, eu poderia implorar pra que você ficasse mais um pouco, só pra te explicar que mais um pouco seria muito pouco, e que por menos que fosse, já seria muito pra mim. Se eu soubesse, ah, se eu soubesse! Te falaria mil coisas, sem dizer uma palavra, te mostraria mil dias de agonia, em um olhar. E quando você estivesse saindo, eu te chamaria de volta, só pra dizer mais uma vez o “eu te amo” que ninguém mais vai ouvir, e te dar um último abraço, com o amor que ninguém mais vai te entregar.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

"Confesso que ando muito cansado, sabe? Mas um cansaço diferente. Um cansaço de não querer mais reclamar, de não querer pedir, de não fazer nada, de deixar as coisas acontecerem."

| Caio F. Abreu
“Mas você com esse seu jeito só seu, de não me permitir saber o que esperar de você, me faz te odiar tanto e querer tanto a sua atenção.”

Verônica H.
“Medo de perder nossa ligação tão inexplicável.”


Verônica H.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Senhoras, eu peço desculpas! Para todos os homens que dizem: “Porque comprar a vaca, se você pode beber o leite de graça?”, aqui está a novidade para vocês: Hoje em dia 80% das mulheres são contra o casamento e sabem por quê?“Porque as mulheres perceberam que não vale a pena comprar um porco inteiro só para ter uma lingüiça!”. Nada mais justo!

((Arnaldo Jabor))
"Enquanto a dor grita a falta de alguém, a saudade faz silêncio para que seja possível ouvir algumas palavras."

- ME DEU UMA SAUDADE DE VOCÊ RÔ , ONDE QUER QUE VOCÊ ESTEJA .. QUE ESTEJA OLHANDO POR MIM ! A SUA PASSAGEM NÃO FOI UMA DAS MELHORES, MAIS EU SEI QUE ESTÁ NUM LUGAR LINDO *-*

Aprendi que meninas boazinhas colecionavam elogios e presentes. Eu colecionava bolinhas de gude e cicatrizes. Hoje, enquanto algumas esperam viver um conto de fadas, eu já beijei príncipe que virou sapo, construí castelos para morar sozinha, despedi a fada madrinha, escolhi viver com o “lobo”, ouvi várias histórias mas resolvi escrever a minha.
Pote é fácil, quero ver o homem abrir o coração ;
Preciso muito de você aqui de vez em quando. Muito mesmo ; nem que seja uma vez na semana, ou no mês, até mesmo no ano, eu preciso muito de você aqui. Nem que seja para dormi do meu lado, e me proteger dos pesadelos que insistem em me atormentar a noite.
Eu te preciso como o reto precisa do branco, como o céu precisa da lua, como os meus dias precisam da sua presença. Eu suplico pelo seu cheiro, do seu toque, das suas palavras, do seu surto, do seu olhar, eu te preciso por inteiro, nem que seja bem de vez em quando.
Eu preciso compartilhara a minha tristeza, a minha felicidade, as minhas horas de caos. Eu necessito que fique calado nem que seja pra me ouvir, falar e falar. Preciso gritar com você, debater com seu ciúme,te entender e explicar o porque de precisar tanto de você, depois disso tudo, te puxar e dizer o quanto sou louca por ti.
Preciso mais que tudo da sua companhia, imediata, da emoção de te ver, doa batimentos fortes por saber que a hora enfim chegou ; preciso do inicio , meio e fim dos momentos com você .
Nem que seja de vez em quando, preciso do seu hálito após o amanhecer, , do seu suor , do seu abraço quente que faz meu corpo estremecer. Das suas promessas que eu temo em transformar em verdades.

Eu só preciso de você de vez em quando mesmo ;/
O silêncio é um texto fácil de ser lido errado.

O porque de tanta escrita ..

"Pensava que escrevia por timidez, por não saber falar, pelas dificuldades de encarar a verdade enquanto ardia, arvorava, arfava. Há muitos que ainda acreditam que começaram a escrever pela covardia de abrir a boca. Nas cartas de amor, por exemplo, eu me declarava para quem gostava pelo papel, e não pela pele, ainda que o caderno seja pele de um figo. [...] Acreditei mesmo que escrever era uma fuga, pedra ignorada, silêncio espalhado, um subterfúgio, que não estava assumindo uma atitude e buscava me esconder, me retrair, me diminuir. Mas não. Escrever é queimar o papel de qualquer forma. Desde o princípio, foi a maior coragem, nunca uma desistência, nunca um recuo, e sim avanço e aceitação. Deixar de falar de si para falar como se fosse o outro. Deixar a solidão da voz para fazer letra acompanhada, emendada, uma dependendo da próxima garfada para alongar a respiração. Baixa-se o rosto para levantar o verbo. É necessário mais coragem para escrever do que falar, porque a escrita não depende só de ti. Nasce no momento em que será lida."

Deixar-se levar pelos tons, banhar-se em cores e sons, seguir o horizonte até que o olhar se perca, despertar os sonhos antes que adormeçam.. E se a vida vir, der de me derrubar, vou olhar pra ela, sou mais de encarar, forte sou levanto, rumo no meu norte, ando com anjos, conto com a sorte!

domingo, 1 de maio de 2011

Nó aperta, laço enfeita…

"Simples assim."
É como se todo o universo estivesse conspirando sobre as minhas emoções. Eu sempre quero me destacar, e ando abrindo minha vida ao leu, sem mais nem menos ; Isso me incomoda muito as vezes, e eu não paro nem um segundo.Distraiu me atirando a golpes de porque, confiar em pessoas que nem ao menos me entende. Realmente eu queria sumir, me trancar em um apartamento oco só pra ver se todos iriam sentir falta ; essa falta ignorante que sinto de ser livre ; Eu só queria viver pra mim , abrir as minhas janelas e pedir que o meu dia fosse lindo, e que fosse mesmo. Não quero rotular os meus sentimentos, mais eu sei que vem tudo de dentro , e fazer o que ?


[ Ao som de - A história de Lilly Braun ~ Maria Gadú ]

"Você diz que ama a chuva, mas você abre seu guarda-chuva quando chove. Você diz que ama o sol, mas você procura um ponto de sombra quando o sol brilha. Você diz que ama o vento, mas você fecha as janelas quando o vento sopra. É por isso que eu tenho medo. Você também diz que me ama…"

(William Shakespeare)

sábado, 30 de abril de 2011

GOSTAR ..

Eu gosto de chuva, de música, rosas ; Vermelhas de preferência. Gosto de abraços, daqueles bem apertados, e de cheirinho de terra molhada. Gosto de esmaltes coloridos, cabelos soltos e de poemas do Caio Fernando abreu. Geralmente tenho gostado de carinho, balanço e verdades. Estrelas também, quer dizer .. estrelas me fascinam! Amo gostar de sorrisos,chocolate e o barulho do vento na janela. Há quem diga que gostar de saudade é ruim .. Gostar de saudade, é saber o valor da presença, da companhia, do calor. Saber o quanto é doloroso a distância. A saudade de gostar dos beijos demorados, das juras sem fim, e do silêncio. Aquele que não se resume a um discurso cheio de palavras contraditórias.
Dói gostar do que está longe, do que estar por vir, e do que veio e se foi. Ter apego a infância, ansiedade a velhice, e esquecer essa juventude perdida. Gostar do ontem, desprezar o tempo, e se apossar dos quereres imediatos ; É bom gostar de gostar, do vinho bebido, do choro escondidos, de corações partidos e principalmente dos amores proibidos.
Aprender a gostar das experiências, das culpas, dos sonhos ; gostar de uma linda voz, de um lugar, de uma estrada. De sentir, escutar, , pronunciar as palavras mais bonitas.
Gostar de ser livre, de ter a alma limpa, e a vida para amar ..
O melhor de tudo é GOSTAR .


Texto escrito num quarto cheio de sentimentos perdidos , minha autoria *-*

" Mariana gosta de beijar outras meninas, de vez em quando, beija meninos só pra não cair numa rotina " . [ Quatro vezes você , Capital inicial ]


Provavelmente pessoas que nasceram nos anos 50 aos anos 70 iriam achar isso uma coisa de outro mundo. Só que hoje em dia o amor, o querer, o desejo não é mais rotulado em sexos opostos ; Não importa com quem seja, o importante mesmo é QUE SEJA !
Sempre fui muito espantada em relação a "essas" novidades cotidianas. E de acordo com meu amadurecimento e convivência com pessoas que se relacionavam com essas mudanças numa boa, eu aprendi que tudo é natural, é mesmo da essência do ser.
Já nascemos com um dom especial, ou desenvolvemos isso com o tempo .. Não que eu ache lindo um usuário de drogas ou um pai pedófilo, que são os absurdos da humanidade hoje em dia. Mais me refiro ao LIVRE ARBÍTRIO, a escolha individual. O ser humano tem o direito de trilhar seu caminho, de se sentir bem da melhor forma. Situações como essa do trecho da música [ inicio do post ], são muito normais.
Do que adianta uma mulher se casar com um cara que não faz ela se sentir realizada ? Ou até em sintonia consigo mesmo , independente . Antes optar pela garota diferente, que nada largada, mais que quando chega perto faz todos os seus pêlos se arrepiarem, e além de tudo pode ser a sua melhor companheira e confidente.
Vamos encontrar nossos destinos, e deixar cada um se perder no seu. As funções do amor são lindas, podemos nus apaixonar por uma planta, por um lugar, por uma estrela, e isso nada!
Pessoas que julgam são pessoas pequenas ; grandes são aquelas que constroem sua história incluindo todos, mais sem se incluir na vida deles. Vamos aceitar o outro de uma forma verdadeira e racional ;
Vamos aceitar a FELICIDADE que anda se manifestando em tantas coisas bobas e nem percebemos. Dê espaço para o seu equilíbrio emocional, para a diferença, e com tudo a RECIPROCIDADE.

[ .. ] " É diferente , mais podia ser "


Post em homenagem as minhas AMIGAAAAAAAAS , Van & Jana *------*
.. Um dos amores mais lindos que conheçi !
, desejo toda felicidade .

Falando sobre relacionamentos ..

[ Comentário postado no blog IdsonComunica, adoreeeei (: ]


Bom , falar sobre relacionamentos é um tanto clichê hoje em dia. As mulheres estão mais evoluídas, e não se importam mais com os conceitos machistas. Como você citou no inicio da postagem , digam o que disserem o mal do século é a solidão : Concordo literalmente ! Hoje em dia as pessoas estão mais acomodadas com a liberdade de ter , estar , usar, a liberdade de nem possuir mais as coisas. A cada dia que passa estamos mais sozinhos, dividindo solidão. Nus lamentamos muito por conviver com situações contraditórias e n sabermos justamente o que fazer ; Traição pra muitos é o fim , cara devemos nus desapegar, tentar levar a vida no chute. Eu descobri que não se deve esperar, o importante mesmo é aproveitar o momento e se não der certo tenta de novo, em outro tempo, de um outro jeito, com outro alguém . Essas aventuras que chamamos de romance servem como ponte para nus levar a verdadeira história de amor. E sobre a mulher ser esperta, ou o homem, ou tabus sobre o sexo, são nada mais do que rótulos. Cada um sabe das suas necessidades, se estiver a fim de "dar" no primeiro encontro .. se joga ! A vontade é sua. Não adianta se culpar e nem se desvalorizar porque foi recíproco ao oposto ; Acho que cada um pensa como quer, mais debater sofrimento não vale né ? Tudo o que tem de acontecer, acontece quando menos esperamos. Uma vez escutei de um amigo que temos que curtir tudo, as piores e as melhores coisas, tudo o que for ruim deixamos de escanteio, mais o que valer a pena, fazemooooos até enjoar (;

sexta-feira, 29 de abril de 2011


Justo quando a lagarta achava que o mundo tinha acabado, ela virou uma borboleta.
"Não te preocupa.
O que acontece é sempre natural.
Se a gente tiver que se encontrar, aqui ou na China, a gente se encontra".




Fica? Passa? Vai? Volta? (...) Não sei nada, mas foi lindo.
Olha, estou escrevendo só pra dizer que se você tivesse telefonado hoje eu ia dizer tanta, mas tanta coisa. Talvez mesmo conseguisse dizer tudo aquilo que escondo desde o começo, um pouco por timidez, por vergonha, por falta de oportunidade, mas principalmente porque todos me dizem que sou demais precipitado, que coloco em palavras todo o meu processo mental (processo mental: é exatamente assim que eles dizem, e eu acho engraçado) e que isso assusta as pessoas, e que é preciso disfarçar, jogar, esconder, mentir.
Eu não achei que ia conseguir dizer, quero dizer, dizer tudo aquilo que escondo desde a primeira vez que vi você, não me lembro quando, não me lembro onde. Hoje havia calma, entende? Eu acho que as coisas que ficam fora da gente, essas coisas como o tempo e o lugar, essas coisas influem muito no que a gente vai dizer, entende? Pois por fora, hoje, havia chuva e um pouco de frio: essa chuva e esse frio parecem que empurram a gente mais pra dentro da gente mesmo, então as pessoas ficam mais lentas, mais verdadeiras, mais bonitas. Hoje eu estava assim: mais lento, mais verdadeiro, mais bonito até.
Hoje eu diria qualquer coisa se você telefonasse. (:


[ Nem parece que estou ansiosa pela sua presença né ? Sei lá, paresse que quando você apareceu o mundo parou pra mim, e eu enxergo o amor agora como um fato premeditado. Comecei a amar o ser humano, não homem ou mulher ! Eu preciso muito de você aqui, quero sentir seu cheiro, seu corpo, seu calor, enfim .. quero te sentir por completo . ] Uaaaaaaaal, rs ignorem os meus quereres *-*
Beijoooooooos baby's ;B